segunda-feira, 18 de março de 2013

o mal estar da civilização




o mal estar da civilização

quanto mais me rejeitam  mais vivo
arte não é lazer entretenimento
arte é incomodAção

tenho o olho no obsceno
no sexo no trágico
no olho do furacão

na planície no planalto no cerrado
no mal estar da civilização

faço o que freud disse
abstrato muitas vezes concreto
não faço poema fino
só duro bem grosso e reto




canibal antropofágico

lírico ou trágico
em botafogo todo jogo eu topo
a mina trampa quando trapa
eu ouço o rappa
e me aposso da cidade como posso

tenho sangue goytacá não carioca
canibal antropofágico
gosto de tua frente
e muito mais das tuas costas

não gosto de gato por lebre
mas sei também que tem quem gosta




poética 53

haveria outra forma de amar-te
arte e paixão tamanha
que entra nas entranhas
quando roça a carne
na pele dessa tela
e vem como quem se deita
e dorme com um poema ereto
entre o vão das coxas


artur gomes

Nenhum comentário: