sexta-feira, 25 de março de 2011

Turquia aceita que Otan comande operação na Líbia




Por David Brunnstrom e Paul Taylor Reuters – via yahoo

BRUXELAS (Reuters) - A Otan chegou a um acordo na quinta-feira para assumir o comando de todas as operações militares de aliados na Líbia, atualmente a cargo dos Estados Unidos, depois de dias de discussões algumas vezes acaloradas com a Turquia, país muçulmano que integra a aliança atlântica.

"Foi alcançado um compromisso em princípio em um prazo muito curto", disse a repórteres o chanceler turco Ahmet Davutoglu, em Ancara. "A operação será entregue completamente à Otan e haverá um único comando e controle."

O acordo foi feito depois de várias conversas por telefone entre a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e os ministros de Relações Exteriores de Turquia, França e Grã-Bretanha.

Antes, líderes turcos haviam demonstrado desconfiança sobre os motivos por trás da intervenção ocidental na Líbia, dando a entender que a ação era motivada pelo petróleo e riquezas minerais do país e não pelo desejo de proteger a população civil das forças do líder líbio, Muammar Gaddafi.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que tenta desvencilhar seu país de duas guerras, no Iraque e Afeganistão, insistia em transferir a responsabilidade da campanha para a Organização do Tratado do Atlântico Norte em dias, e não semanas.

Davutoglu disse que a Otan assumirá a incumbência tão logo quanto possível. Altos funcionários da organização afirmaram que levaria 72 horas depois de aprovada a diretiva.

Não houve confirmação de imediato da Otan, em Bruxelas, onde estavam reunidos os embaixadores dos Estados membros. Um alto funcionário disse que os embaixadores estavam consultando os governos.

O Parlamento turco aprovou, antes, a adesão do país à operação naval para implementar o embargo da Organização das Nações Unidas à venda de armas para a Líbia.

A Turquia quer que a Otan comande a missão na Líbia a fim de conseguir limitar as operações aliadas contra a infraestrutura do país e evitar as mortes de civis muçulmanos que poderiam ocorrer como resultado de bombardeios.

A França, que iniciou no sábado a campanha de ataques aéreos ao lado de EUA e Grã-Bretanha, considera que a Otan deveria ter um papel técnico, enquanto um conjunto de países aliados, incluindo a Liga Árabe, exerceria o controle político.

Para a França, se a Otan ficasse no comando isso levaria à perda de apoio árabe por causa da impopularidade dos EUA no mundo árabe.

Nenhum comentário: